O inventário do lixo aqui em casa

Mesmo com a diminuição do tamanho da família moderna, segue crescendo o volume do lixo gerado nas unidades familiares. Você já parou para ver a quantidade de lixo diário que sai da sua casa? Pois, essa constatação me leva a fazer-lhe a segunda pergunta, caro leitor: – Qual é a ferramenta que acabou se tornando imprescindível na cozinha moderna? E vamos emendar logo a terceira pergunta: – você separa o lixo seco do orgânico dentro da sua casa?

Antes de prosseguir, resolvi ir até a minha cozinha e realizar um inventário do lixo aqui de casa. Não estava no roteiro de produção do texto, foi decisão de inopino. Volto já!
xingandoVou correr um duplo risco:  

1. descobrir “cobras e lagartos”;

2. ou ouvir “cobras e lagartos” da minha esposa, pois penso que se eu noticiasse a minha intensão, ela não concordaria.

Antes, um pouco de teoria.

Lixo doméstico

O lixo doméstico é um problema cíclico, onde diversos materiais têm diversos tempo e processo de produção. Podemos começar pela embalagem do pão, no café da manhã de hoje. Assim, respeitados os tempos, nossos móveis e as próprias paredes da nossa casa, um dia serão lixo. Vamos nos limitar ao resíduo diário, tais como restos de alimentos, embalagens, papeis, etc…Com tal definição de termos já posso afirmar que esse lixo nasce na sua lista de supermercado.

Pense comigo, você vai ao mercado com um interesse específico e junto com ele vem embalagens, aliás, muita embalagem. Dois exemplos representativos:

  • tem um bombom achocolatado que é vendido em doze unidades (sendo que cada uma delas com a respectiva embalagem em papel laminado) acondicionadas numa bandeja de papelão que é revestida com papel celofane;
  • bolachas do tipo água e sal, montadas em colunas que sustentadas por papel celofane, se torna um volume. Três volumes destes são agrupados numa embalagem de papel celofane totalmente colorido e com os dizeres de praxe.

Pois, haja tesoura na cozinha para manobrar com este material e outros tantos, utilizados para conter aquilo que especificamente necessitamos. Pronto, respondi a uma das perguntas: cozinha sem uma tesoura na gaveta dos talheres não assegura que dominemos as tais embalagens de hoje. Em tempo: haja cesta do lixo diário!

A quantidade de lixo diário que sai da sua casa, começa a ser determinada na sua lista de compras e passa pela opção de produtos com menos embalagens ou feitas com material que degrada mais fácil no meio ambiente, seja reciclável, isto é, tenha um canal de reciclagem já estabelecido; você sabe como recolher e para aonde e como fazer para encaminhar o reaproveitamento daquilo que veio junto com o seu alimento e, que não serve mais.  Compare as figuras abaixo:

papel de pão          plástico para pão

Regra de ouro

Depois do cuidado e seleção nas compras, a regra de ouro é separar o lixo seco do molhado. Começa dentro de casa e vai para diferentes contêineres (na cidade aonde eu moro o sistema de coleta é feito dessa forma) na sua calçada. Sem os cuidados iniciais e sem a correta armazenagem no respectivo contêiner, o recolhimento do lixo, que agora é coletivo, dará encaminhamento errado para o material e o cenário abaixo se manterá como triste realidade de muitos municípios brasileiros.

lixao parnaiba1

A regra pode e deve ser expandida para a separação de vidros, metais, plásticos e papéis. Fomentar, incentivar e difundir a formação de cooperativas de reciclagem é exercício da cidadania.

Quanto a incursão pela cozinha da minha casa posso dizer que sobrevivi, caso contrário não teria terminado o texto. Acabei convencido de que teremos que repensar algumas rotinas por aqui. Moramos em apartamento e isso requer grandes adaptações, especialmente considerando que esse tipo de morar é a grande explosão nas áreas urbanas.

Vou fazer mais observações, testar adaptações e depois socializo as minhas experiências nos próximos textos.

 

 

 

Cenário logístico da reciclagem

O cenário mundial sobre a produção de bens e o tratamento dos resíduos sólidos, líquidos e gasosos, decorrentes da atividade industrial, além daqueles gerados pelo fim da vida útil do item produzido, está sintetizado no esquema abaixo.

ciclocompleto
Fonte: autor

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A industria de base extrai o produto da natureza e produz a matéria prima para a indústria de transformação. São exemplos as mineradoras que retiram os minérios, as fundições e laminadoras que transformam tais minérios em chapas de aço.  Esse é um ponto de elevado consumo de energia, água e outros insumos. A industria de base tem processos de apoio destinados a tratar os resíduos provenientes do seu processo principal de produção, restando um final ambientalmente adequado, como apregoa a legislação brasileira.

A indústria de transformação estruturada como ponto de encontro de diversos fornecedores, organizados em níveis (fornecedor do fornecedor da indústria), tem como partida a indústria de base e as fontes de energia e de outros insumos. Também aqui existem processos de apoio para se tratar os resíduos do processo produtivo. O tratamento da água utilizada é um exemplo. Quando o resultado permite, ela é restituída ao meio ambiente; caso não, ela passa para reservatórios ligados a redes de distribuição exclusiva para outros empregos na própria instalação.

O mercado consumidor, conceituado como a população economicamente ativa dentro de um espaço geográfico determinado, recebe uma enorme pressão para que compre. Essa pressão é sistematizada, a partir de, um processo estratégico de apoio na industria de transformação. Esse processo e conhecido com ” Marketing”. A atividade (representada pela seta amarela no esquema) estuda o mercado consumidor e fundamenta as ações de venda em cinco pontos principais:

  • o produto em si, design, funcionalidades, cores, desempenho, etc;
  • o preço, onde é indicado o preço que as pessoas aceitariam pagar em comparação com a planilha de custos da produção;
  • a segmentação desse mercado segundo critérios econômicos, sociais e geográficos;
  • a distribuição física do produto no território considerado
  • a propaganda e campanhas promocionais para a alavancagem das vendas.

Essa estrutura de suporte para as vendas determina uma enorme pressão de compra. Muitos e modernos recursos são utilizados para se manter em expansão os resultados da indústria.

Nesse ponto começa o nó da logística reversa. Dar destino as embalagens com as quais o seu produto foi protegido para chegar integro até você. Simples: retiro o produto de dentro da caixa de papelão, coloco o isopor e o plástico bolha de volta dentro da embalagem vazia e largo na calçada para os catadores levar. Chove torrencialmente por três dias!!! Ninguém aparece para levar e o seu resíduo foi ajudar a entupir os esgotos. Podemos piorar o quadro: o que fazer com o “produto velho”, que não é papelão?

Ressalto que no parágrafo que escrevi sobre a industria de transformação nada consta sobre um suporte de pós venda para sistematizar um processo de tratamento para o resíduo, reconvertendo-o até a industria de base para reaproveitamento. Observe a diferença de tamanho entre as setas vermelhas no esquema. Essa diferença representa a quantidade de resíduos que ficam abandonados, entulhando e poluindo a natureza.

Segundo a legislação brasileira a logística reversa é: “instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada”. (Lei 12.305 de 02/08/2010)

Como se vê, a destinação dos resíduos só pode ser uma “ambientalmente adequada”. Só não acontece porque esse processo de apoio ao tempo do pós venda, deveria ser, de alguma forma planificado pela industria de transformação. Esse poderia ser mais um nível de fornecedores da industria. Outra opção, ainda na mesma linha, seria sistematizar o suporte com fornecedores de serviço de manutenção, certificados pelo fabricante, de maneira a aumentar a vida útil do bem adquirido. Isso diminuiria a pressão sobre a natureza.

Enquanto isso, o Brasil anunciou em 2014 que teria a primeira fábrica da América Latina de reaproveitamento de material dos veículos sucateados, conforme foto abaixo.

sucata

 

 

 

 

 

 

Continuamos, já em 2016, aguardando a tal fábrica

Referências

http://www.portalresiduossolidos.com/reciclagem-de-automoveis/