O inventário do lixo aqui em casa

Mesmo com a diminuição do tamanho da família moderna, segue crescendo o volume do lixo gerado nas unidades familiares. Você já parou para ver a quantidade de lixo diário que sai da sua casa? Pois, essa constatação me leva a fazer-lhe a segunda pergunta, caro leitor: – Qual é a ferramenta que acabou se tornando imprescindível na cozinha moderna? E vamos emendar logo a terceira pergunta: – você separa o lixo seco do orgânico dentro da sua casa?

Antes de prosseguir, resolvi ir até a minha cozinha e realizar um inventário do lixo aqui de casa. Não estava no roteiro de produção do texto, foi decisão de inopino. Volto já!
xingandoVou correr um duplo risco:  

1. descobrir “cobras e lagartos”;

2. ou ouvir “cobras e lagartos” da minha esposa, pois penso que se eu noticiasse a minha intensão, ela não concordaria.

Antes, um pouco de teoria.

Lixo doméstico

O lixo doméstico é um problema cíclico, onde diversos materiais têm diversos tempo e processo de produção. Podemos começar pela embalagem do pão, no café da manhã de hoje. Assim, respeitados os tempos, nossos móveis e as próprias paredes da nossa casa, um dia serão lixo. Vamos nos limitar ao resíduo diário, tais como restos de alimentos, embalagens, papeis, etc…Com tal definição de termos já posso afirmar que esse lixo nasce na sua lista de supermercado.

Pense comigo, você vai ao mercado com um interesse específico e junto com ele vem embalagens, aliás, muita embalagem. Dois exemplos representativos:

  • tem um bombom achocolatado que é vendido em doze unidades (sendo que cada uma delas com a respectiva embalagem em papel laminado) acondicionadas numa bandeja de papelão que é revestida com papel celofane;
  • bolachas do tipo água e sal, montadas em colunas que sustentadas por papel celofane, se torna um volume. Três volumes destes são agrupados numa embalagem de papel celofane totalmente colorido e com os dizeres de praxe.

Pois, haja tesoura na cozinha para manobrar com este material e outros tantos, utilizados para conter aquilo que especificamente necessitamos. Pronto, respondi a uma das perguntas: cozinha sem uma tesoura na gaveta dos talheres não assegura que dominemos as tais embalagens de hoje. Em tempo: haja cesta do lixo diário!

A quantidade de lixo diário que sai da sua casa, começa a ser determinada na sua lista de compras e passa pela opção de produtos com menos embalagens ou feitas com material que degrada mais fácil no meio ambiente, seja reciclável, isto é, tenha um canal de reciclagem já estabelecido; você sabe como recolher e para aonde e como fazer para encaminhar o reaproveitamento daquilo que veio junto com o seu alimento e, que não serve mais.  Compare as figuras abaixo:

papel de pão          plástico para pão

Regra de ouro

Depois do cuidado e seleção nas compras, a regra de ouro é separar o lixo seco do molhado. Começa dentro de casa e vai para diferentes contêineres (na cidade aonde eu moro o sistema de coleta é feito dessa forma) na sua calçada. Sem os cuidados iniciais e sem a correta armazenagem no respectivo contêiner, o recolhimento do lixo, que agora é coletivo, dará encaminhamento errado para o material e o cenário abaixo se manterá como triste realidade de muitos municípios brasileiros.

lixao parnaiba1

A regra pode e deve ser expandida para a separação de vidros, metais, plásticos e papéis. Fomentar, incentivar e difundir a formação de cooperativas de reciclagem é exercício da cidadania.

Quanto a incursão pela cozinha da minha casa posso dizer que sobrevivi, caso contrário não teria terminado o texto. Acabei convencido de que teremos que repensar algumas rotinas por aqui. Moramos em apartamento e isso requer grandes adaptações, especialmente considerando que esse tipo de morar é a grande explosão nas áreas urbanas.

Vou fazer mais observações, testar adaptações e depois socializo as minhas experiências nos próximos textos.

 

 

 

Manual do proprietário

Hoje é comum a expressão “com o manual na mão, eu monto qualquer coisa”. Tem gente que já pergunta se tem ” o manuel”, de tão usual que se tornou essa ajuda do fabricante.

Esta é uma antiga ferramenta de pós venda que, em função das mudanças nas políticas de produção, sofreram variações de conteúdo e de apresentação, ao longo do tempo.

O conteúdo do manual é definido ao tempo do projeto de engenharia do produto portanto, ainda dentro da indústria, seguindo uma política de produção e venda conforme os objetivos organizacionais traçados nos campos financeiro, social e ambiental. O modelo mais clássico que se tem é o manual do proprietário de veículo automotor. Ele é completo e detalhado no funcionamento e na regulação da manutenção do bem adquirido. No Brasil a depreciação e exaustão desse bem é de 20% ao ano, ou seja, contabilmente em cinco anos o bem se extingue; no mercado é comum se ver veículos automóveis com dez anos de vida útil. Em boa parte isso se deve ao plano de manutenção traçado pelo fabricante. A figura abaixo mostra o manual de uma carro de 1965. O meu carro é do ano de 2005 e são pequenas as diferenças entre ambos os documentos e àqueles do corrente ano.

003-manual-gordini-1

A ausência de diferenças decorre da não mudanças nas políticas de produção (não confunda com tecnologias), onde o aumento da vida útil e a confiabilidade na marca sempre foram o norte do mercado produtor, além da própria capacidade de compra do mercado consumidor. Ainda assim, se observa no Brasil, o crescente passivo de uma destinação dos resíduos de automóveis que não mais podem circular e que, a despeito do prolongamento da vida, não se dispõe de um sistema reverso de logística, capaz de absorver a demanda e aliviando o meio ambiente da carga de tais resíduos.

Atualmente, existem alguns bens disponíveis no mercado, cujo manual se restringe a uma única folha de papel impresso com as principais instruções de uso e cuidados de segurança. Os endereços para eventuais manutenções nem sempre se confirmam. A garantia do produto é de um ano e você não encontra quem faça qualquer reparo. O manual é singelo e não tem instruções de manutenção pelo simples motivo de que o custo de produção é muito baixo: compre um novo e bote fora o velho “estragado”. Pergunta-se: fora aonde? Sem sistematização e sem orientação no manual, fatalmente o velho habitará um terreno baldio.

Por outro lado, existe uma nova geração de bens e fabricantes que emitem um manual tradicional singelo que contém as instruções básicas de operação e cuidados, mas conta com  um endereço de internet, onde a manutenção é muito bem detalhada. Minha lavadora/secadora de roupas é um exemplo. Já fiz alguma manutenção mais aprofundada acompanhado por um tutorial em vídeo, onde a peça referida era mostrada na tela do celular, passo a passo.

manualA figura ao lado mostra alguém estudando o manual de um bem que comprou ou irá comprar. Eu já vivi esta experiência, conforme relatei acima.

A minha preocupação que persiste, apesar da modernidade do manual, é que ao encerramento programado ou não, do prazo de vida útil do produto, ainda não terei um processo sistematizado de descarte do “velho” para o reaproveitamento na própria indústria.  Essa é uma enorme de uma oportunidade de melhoria nos manuais de proprietário:

  • fazer nele constar as medidas especiais e de logística para o descarte;
  • inventário de materiais construtivos e respectivos volumes;
  • nível estimado de redução da emissão de CO2 com as medidas.

Como você pode observar os novos manuais seriam medidas realmente inovadoras que, além de envolver na questão da preservação ambiental a todos os segmentos sociais, serviriam de suporte fático para a concessão de certificação do tipo “selo verde”.

Retardar a obsolescência

Todas as coisas e os seres ficam velhos, quer por desgaste natural ou fadiga do material, quer pelo envelhecimento da tecnologia empregada para garantir o funcionamento. O computador, com a sua tecnologia, é um belo exemplo, onde o material empregado não chega a entrar em processo de fadiga, porém a sua tecnologia de funcionamento – principalmente a velocidade dos chamados processadores é aumentada a cada intervalo de 12 meses ou menos.

Determinados produtos não impõem grande esforço ao material de que são feitos e têm ou deveriam ter enorme durabilidade, mas não o têm. Assim, certos fabricantes, de acordo com a filosofia do consumo de massa, programam a obsolescência do seu produto a partir de:

  • tecnologia de materiais que reduzam custos de produção e de vida útil mais curta;
  • tecnologia de funcionamento prestes a ser substituída por outra já desenvolvida e aguardando o momento de entrar em novos projetos;
  • projetos de engenharia do produto que desconsideram ao máximo a opção de reparos;
  • marketing voltado para o “compre novo, não conserte”, conforme ilustra a figura abaixo:

conserte

Como você pode perceber, ambas as formas de pressão, se fossem equilibradas, teríamos menor ameaça ao ambiente e à sustentabilidade da equação entre consumir e não agredir a qualidade de vida, reduzindo a velocidade de entulho do ambiente.  O desequilíbrio se estabelece na medida em que não se conserta mais nada e, ao mesmo tempo, é forte o apelo publicitário pela aquisição de unidade nova.

Uma proposta de reequilíbrio passa obrigatoriamente por estruturar o sistema de conservação dos bens, aumentando-lhes a vida útil.

Prezado leitor, tenho idade suficiente para ter  a oportunidade de viver o tempo em que era absolutamente normal encontrar pequenas e médias lojas de consertos, cuja atividade prolongava a vida da nossa geladeira  “Frigidaire” e televisão “Telefunken”, marcas da época. Minha alfabetização sempre foi acompanhada de uma iniciação profissional, onde se aprendia pequenos consertos domésticos e nos habilitava para trabalhar ou “ter” uma pequena oficina. Esse era o ambiente de sustentação da cultura de consertar e aproveitar bem o item que se comprava para a casa. Convenhamos, fundamento cultural das pequenas e medias empresas que, no Brasil, representam mais de 85% dos postos de emprego.

A manutenção, como atividade logística, requer a gestão dos seguintes fatores:

  • mão de obra
  • ferramental
  • peças de reposição
  • instalações
  • tempo.

Para cada um destes fatores deve existir uma rede (relação de clientes-fornecedores) com um custo que, como estamos ensaiando e a figura abaixo mostra, de 3,5% do preço de venda do produto, no caso uma bicicleta.

FB_IMG_1448457962977

Observe, caro leitor, que não custa caro assegurar-se da manutenção do bem comprado. Retardar o processo de obsolescência daquilo que compramos pode não ser conveniente sob a ótica de parecer alguém sempre atualizado, conforme valores repassados pelo marketing dos fabricantes. Sob a ótica de respeito e conservação do ambiente em que vivemos, essa é uma atitude inteligente e economicamente sustentável. Temos uma decisão de comprar menos e manter os postos de trabalhos, garantindo a vida econômica de muitas famílias, sem qualquer agravo ao nosso ambiente.