Motivação das atuais guerras localizadas

TPP O mundo marcha para três grandes blocos econômicos, onde território, tamanho de mercado e fornecedores de energia fazem uma disputa acirrada e complexa por cada palmo de terra, especialmente no Oriente Médio. O mapa ao lado mostra o mais recente tratado internacional de livre comércio, o Tratado Transpacific Partnership (TTP), liderado pelos EUA.

A figura abaixo mostra o espaço geográfico ocupado por outro tratado internacional o Transatlantic Trade Investment Partnership (TTIP) que, de certa forma, por englobar a União Européia (com seus 28 membros), incrementa ao TTP. Basta que se sobreponha os mapas e se consegue ter uma idéia do tamanho desse segundo bloco.

TTIPEm vermelho é a Russia. A seguir mostro o mapa atual da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). Nesse mapa abaixo da para intuir a luta militar por expansão territorial e a consequente expansão do TTIP, além do domínio sobre fontes energéticas.

 

O mapa da OTAN:

OTAN

O terceiro bloco são os chamados BRICS (Brasil, Russia, India, China e Sul da África). Por esse caminho se entende porque o Brasil não firmou nenhum dos dois acordos anteriores e vem estreitando relações com a Rússia e China, especialmente. Percebe-se também o motivo da Russia estar dentro do território e defender a Síria, aliás se entende o encontro militar internacional naquele país. Além, dos acordos comerciais entre Russia e China com o Iran.

Por fim, ainda temos o Trade in Service Agreement (TISA) que envolve territorialmente os dois primeiros blocos e diz respeito à negociação prestação mundial de serviços. Esse é um tratado que independe de blocos e, portanto deverá ser imposto ao mundo, quer dizer, aos BRICS. Tudo isso se esse bloco resistir ao bloqueio econômico que vem sendo submetido.

Para concluir, sem alongar mais o texto, o poder mundial está rotacionando dos antigos muros, dividindo países, para um eixo econômico com uma linha que liga a Asia e o cone sul, nas Américas.

A logística do milagre

Todos nós, de alguma forma, creditamos e ou atribuímos  a um milagre  o sucesso ante o surgimento de determinados acontecimentos na nossa vida. Este é um texto que não tem a pretensão religiosa e tampouco de auto ajuda. Trata-se  de acreditar sobre algo que somos capazes de construir na nossa vida. Nós construímos tudo, mas à algumas coisas denominamos de milagre e, de imediato, atribuímos a sua autoria a um ente isolado em quem acreditamos.

Na verdade, ante ao que se apresenta, fazemos duas coisas: – pensamos sobre um objetivo a atingir; e providenciamos a logística necessária para que aconteça. Mesmo para os milagres é assim que funciona.

super heroi

A figura ao lado* mostra que somos 50% superação e fé (acreditamos naquilo de pensamos e executamos), somos super-heróis e 50% processo planificado dos diversos suportes materiais de de serviços para que a coisa aconteça.

No clamor da necessidade ou da identificação da grandeza do objetivo de vida a atingir, a maioria das pessoas nem consegue parar com uma caneta e papel na mão para listar as providências que precisa tomar e, muito menos lhes determinar uma ordem de execução. Esse momento é sempre cheio da emoção, onde o lado certo do cérebro, para as coisas de ordem prática, fica desligado.

Passado o momento da percepção da necessidade de chegar a um ponto, instintivamente começamos a redigir mentalmente aquilo que fazer. Um bom exercício para a constatação é eleger um caso passado e listar todas as providências de transporte, estoque, controle de documentação e serviços que você movimentou para dar suporte ao sucedido. Sempre incluo na minha listagem o tamanho e exatamente aonde, no conjunto das minhas crenças, tive que atualizar e, muitas vezes, dar um upgrade no meu sistema de fé.

Vou contar a você, caro leitor, uma experiência que vivi,  onde em meio a maior pressão psicológica que conheci, tive que estabelecer e centrar num objetivo de vida. O caminho para fazer acontecer tal objetivo requereu:

  • coleta de informações sobre profissionais de saúde muito especializados;
  • contratação desses profissionais e agendamentos de eventos;
  • muito transporte;
  • controle de execução e arquivamento temporário de exames de saúde;
  • revisão e atualização do plano de previdência;
  • dois meses de agenda diária em hospital com controle, transportes.
  • previsão financeira;
  • três anos de rotina mensal em laboratório e controle mensal de indicadores de saúde. E por ai vai.

Não se pode esquecer que tudo o mais que nos cerca não pára e que, apesar da centralidade requerida, a vida tem que continuar o mais próxima possível da normalidade .

Como todos, também tenho um sistema de crenças fundado numa religião. Mas, além dela e do criterioso planejamento e execução do suporte logístico com vista ao objetivo definido, fiz uma mudança radical na filosofia de vida, onde a harmonização e o reconhecimento do poder do verbo foram fundamentais para os 50% de super-herói. A figura* abaixo mostra o segredo que agora posso compartir.

seucaminho

Encerro afirmando que até mesmo a fé e o silêncio fazem parte do conceito da operação logística que dá suporte ao que intentamos realizar na nossa vida, quer de maneira natural e sequencial, quer por algo de grave emergência que venha a nos forçar uma revisão nos planos. Rotina ou contingência somos nós que construímos o nosso caminho, de preferência em segredo.

Credito das figuras

www.zazzle.pt 

Planejar é preciso – os sonhos

Na primeira infância, brincar é o verbo que melhor sintetiza um dos principais objetivos no inicio da vida. Exercitar o imaginário é a ordem. Não existe qualquer preocupação com algum apoio que dê suporte ao plano que, assim como surge, desparece e é substituído por outro. Porém, os pais supridores, aos poucos estabelecem e mantêm uma rede de facilidades no entorno da criança. O atendimento àquelas necessidades básicas de segurança, conforto material e manutenção do corpo é realizado na casa da família, que faz parte da rede. O provimento de educação, conhecimento e cultura acontece com uma combinação e encontro de vários processos de apoio em mais um nó dessa rede, que normalmente é representado pela escola. A figura abaixo mostra a ideia de rede, onde o circulo vermelho pode representar a criança ou qualquer outra referencia para estabelecer o desenho de uma rede.

rede2

Ainda aproveitando a figura, os pontos verdes, que representam os responsáveis diretos se ligam  ao ponto vermelho – nossa criança sonhadora. Cada um dos verdes têm a sua própria rede de azuis, que são os respectivos processos combinados para gerar a facilidade para o vermelho. Por exemplo: – a escola, bem simplificada, é o resultado da administração de um prédio, professores, funcionários e serviços.

Com o passar do tempo a criança vai assumindo a sua independência e a gestão das suas relações e necessidades dentro da rede. Chega o momento de escolher uma profissão que goste e que lhe garanta o sustento. O sonho passa a construir objetivos na vida e o planejamento das ações para chegar lá, uma realidade.

Sem perceber muito bem, o ser humano começa a inventariar, fazer um levantamento de tudo aquilo que tem de bom para encaminhar o seu projeto. Na sua lista, observa aquilo que lhe falta (fazer um curso extra, se preparar para um concurso, etc) e decide prover os apoios dos seus sonhos, identificando onde e como se fortalecer na rede logística da vida. Ele olha para as oportunidades e para as dificuldades que terá de enfrentar, toma um caminho e segue firme em direção ao sucesso.

Na terceira fase da vida surgem necessidades especializadas, para as quais, a rede lhe oferece fornecedores, com a respectiva estrutura própria, capacitados para atendê-las plenamente. São as redes de atendimento geriátrico, academias especializadas, a turma do lazer em grupo, etc.

Um abraço e até o próximo.